Artigo

Conservadorismo Liberal

Escrito por

Luiz Philippe de Orleans e Bragança

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

 Recentemente num hangouts sobre Conservadores e Liberais fui chamado de socialista Fabiano, comunista, e desonra às raízes luso brasileiras…isso tudo considerando que eu deveria ser o representante conservador dos participantes! Engraçado que até pouco tempo atrás eu era chamado de neo-liberal, coxinha, reaça, direita retrógrada, entre outros nomes censurados. Mas a visão desses neo-conservadores medievalistas, que começam a pipocar em todas as mídias sociais, que me preocupou. Nos olhos deles fracassei como representante conservador.

Na minha visão a internet fracassou. Há muitos filósofos conservadores na web que adquiriram muitos seguidores nos últimos 2 -3 anos. Se tornaram famintos por mais likes no Facebook e YouTube. Esses filósofos acabam definindo termos como “liberal” de maneira errada propositalmente para criar cisões entre grupos e gerar mais likes para seus videos.

Os que erram mesclam grosseiramente os conceitos “liberal” e “libertário”. Para ser justo com os conservadores, os próprios “libertários” se intitulam “liberais” o que aumenta a confusão. O liberal, no conceito clássico, eram aqueles que abraçavam o liberalismo politico e liberalismo econômico. Já o libertário, é um liberal que não tem freios ou limites de moralidade.

Nem todos os conservadores da web cometem esse erro. Alguns definem o termo “liberal” de maneira correta, em linha com a estrutura de poder politico e econômico sem acrescentar o viés moral. Mas outros anseiam secretamente em ver igreja católica e o Estado mais uma vez vinculados no comando da sociedade. Na visão destes poucos, qualquer nuance de liberalismo tem de ser combatida. Por que? 2 fatos.

Primeiro, é fácil e conveniente mesclar os termos liberal e libertário para gerar ataques nos liberais. Associam a falta de moralidade característica dos libertários para falsamente representar todos liberais. Muitos que acreditam em liberalismo politico e liberalismo econômico são de moral conservadora (como é meu caso). Me chamar de libertário é um grande engano assim com é dizer que não sou conservador.

Segundo, porque é um fato histórico inegável que o liberalismo brasileiro não vingou e abriu as portas para o totalitarismo. Explico. O ecossistema politico do Brasil se materializou na Constituição de 1824. Ela foi organizada de acordo com uma estrutura que mesclava a legitimidade histórica conservadora com a estrutura de Estado liberal. Deu certo, pois assegurou legitimidade, estabilidade e representatividade por longos períodos.

No entanto, na constituição de 1891, eliminou-se a influencia do Rei e da Igreja e manteve-se somente a estrutura liberal. Como o revolucionário liberal dos EUA John Adams já havia alertado 100 anos antes, somente uma sociedade cristã asseguraria o funcionamento e estabilidade de um Estado liberal. Fato. Pois a sociedade cristã do Brasil republica não foi forte o suficiente para evitar que as constituições de 1934, 37, 46, 67 e a atual 1988 abandonassem por completo a estrutura liberal de poder politico e abraçaram os conceitos e estrutura de poder do socialismo. A partir desse fato, surgiram as diversas narrativas conservadoras tal qual “liberalismo levou o Brasil ao socialismo”. Essa narrativa procede.

Mas agora militantes neo-conservadores formados pelo Youtube rejeitam liberalismo mas não pregam uma alternativa viavel contra o socialismo moral e estrutural que nos encontramos. Então o que os conservadores da web devem defender?

Após a Revolução Francesa surgiu o “liberalismo conservador”. O liberalismo conservador mantinha que parte do Estado funcionasse como guardião da moral, da legitimidade histórica e da aspiração natural do país mas abraçava o equilíbrio com uma estrutura de poder Liberal (leia-se poderes limitados e descentralizados). Essa visão era sustentada por Edmund Burke na Inglaterra assim como José Bonifácio do Brasil Império. Tanto Burke quanto Bonifácio eram intensamente criticados pelos liberais, assim como pelos conservadores de sua época, portanto, talvez se olharmos a coisa por esse lado, acho que estou no caminho certo.

Apesar de a maioria dos filósofos da direita conservadora serem bem intencionados, seus seguidores não se aprofundam nos conceitos. Não vão além de replicar as conclusões e os jargões que esses filósofos propagam. Daí surgem todos os problemas. Vão queimar a direita que mal teve chance de se apresentar. Inadvertidamente jogam conservadores e liberais uns contra os outros quando é necessário uni-los para combaterem os progressistas marxistas.

A todos que estão lendo esse artigo e tem interesse em se aprofundar no seu próprio pensamento politico, peço que leiam a fonte histórica e não dependam exclusivamente das palavras e opiniões de personalidades da web. Precisamos de massa critica pensante e independente, sem idolatrias. Entendam que por detrás de cada pensamento e comportamento politico, está uma visão de Estado como um todo (sociedade, política e economia). Tenham as suas por conta própria. Seu Brasil exige.

Comente